“Alfabetização malfeita é a real causa de 80% de casos encaminhados como “distúrbio”” Diretora do curso da Fonoaudiologia da FCMSCSP é entrevistada

Compartilhar :

O Brasil vem consagrando números não positivos quando falamos em alfabetização, etapa conhecida como o “coração do ensino”. Os índices mais recentes preocupam: 60% dos alunos concluintes do 3º ano do ensino fundamental estão em níveis insuficientes de leitura, 33% em níveis insuficientes em escrita e 54% têm insuficiência em matemática.

Mas talvez mais preocupante do que isso seja o que fazemos com esses alunos em “níveis insuficientes”.

Por entender que há “algum problema mais sério” que afeta esse contingente de estudantes, como disfunções neurológicas e transtornos funcionais (dislexia, TDAH, etc.), as instituições de ensino, muitas vezes, os encaminham a consultórios terapêuticos.

Quando chegam aos consultórios, no entanto, poucos são os alunos diagnosticados com transtornos e disfunções. O problema é mais simples (ou nem tanto) do que se imagina: a alfabetização não foi adequada.

Ana Luiza Navas, fonoaudióloga especialista em distúrbios da leitura e professora e diretora do Curso de Fonoaudiologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa, em São Paulo, pesquisa o tema há vários anos. Em entrevista à Gazeta do Povo, Ana comenta o tema.

Acesse aqui.

111 visualizações

Compartilhar :