Enfrentamento da Violência: os Direitos Humanos da População LGBT e a Responsabilidade da Enfermagem Evento trata de vulnerabilidade, invisibilidade, preconceito, discriminação e LGBT fobia

Compartilhar :

Evento enfocou as questões de vulnerabilidade, invisibilidade, preconceito e discriminação que afetam a população LGBT. Clique na imagem para ver mais fotos

O evento ‘Enfrentamento da Violência: os Direitos Humanos da População LGBT e a Responsabilidade da Enfermagem’ ocorreu, dia 10/11, na Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (FCMSCSP).

Organizado pelas professoras do curso de Enfermagem da Faculdade, Cell Regina da Silva Noca e Maria Fernanda Terra, que realizou a palestra ‘Reflexões da Responsabilidade do Enfermeiro no Cuidado à População LGBT’, o evento enfocou questões de vulnerabilidade, invisibilidade, preconceito, discriminação e LGBT fobia que afetam essa população. “É importante capacitar os profissionais da área de saúde para lidar com todo tipo de público”, disse Maria Fernanda

A advogada, Defensora Pública do Estado de São Paulo e mestre em Direito Vanessa Alves Vieira discorreu sobre ‘Política Nacional da População LGBT na Perspectiva dos Direitos à Saúde’. Apontou que normas voltadas para certos grupos da população são vistas equivocadamente como privilégios e não como direitos. “O diálogo sempre é a melhor opção para lidar com as diferenças”, comentou.

O psicólogo Luis Fernando de Oliveira Saraiva, doutor pelo Instituto de Psicologia da USP, tratou de ‘Aspectos Emocionais Relacionados ao Enfrentamento do Preconceito’. Ressaltou que é muito importante entender o que leva pessoas a terem pensamentos e atitudes homofóbicas, não aceitando o diferente. “A ‘cura gay’, ou seja, terapias de reversão sexual em pacientes, não muda orientação sexual, mas leva à ansiedade, depressão e desenvolvimento do ideário e da prática de suicídio”, exemplificou.

Aluna do curso de Graduação de Enfermagem da FCMSCSP, Laís Alonso Gomes fez uma fala sobre as atividades de conscientização e de debate desenvolvidas pela Liga da Sexualidade, Gênero e Direitos Humanos, que preside; e Luis Zani, graduando do mesmo curso, falou sobre a sua pesquisa ‘Conhecimento dos Graduandos de Enfermagem no Cuidado à População LGBT’.

203 visualizações

Compartilhar :