Pesquisa estuda a relação entre memória espacial e degeneração do tronco encefálico na doença de Parkinson Projeto de iniciação científica foi apresentado em seminário do Departamento de Ciências Fisiológicas da FCM/Santa Casa de São Paulo

Compartilhar :

A estudante Isabella Bacci Bustelli (esq) desenvolve a pesquisa com orientação da professora Ariadiny de Lima Caetano

A doença de Parkinson foi tema do mais recente seminário científico promovido pelo Departamento de Ciências Fisiológicas da Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da Santa Casa de São Paulo. No dia 19 de junho, Isabella Bacci Bustelli, aluna da graduação em Biomedicina da Universidade Cidade de São Paulo (UNICID), apresentou o seu projeto de iniciação científica, intitulado “Participação do locus coeruleus na memória espacial de ratos submetidos ao modelo de alterações não motoras da doença de Parkinson”. A estudante possui bolsa da Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) e é orientada por Ariadiny de Lima Caetano, professora da Disciplina de Farmacologia do Departamento de Ciências Fisiológicas da FCM/Santa Casa de SP.

Na doença de Parkinson, a degeneração da substância negra do cérebro provoca tremor em repouso, rigidez muscular, lentidão e redução da amplitude dos movimentos, além de alterações na postura e no equilíbrio. Estes são os sintomas clássicos do Parkinson, porém não são os únicos.  Antes deles, podem surgir os chamados sintomas pré-clínicos (alterações não motoras), como depressão, ansiedade e problemas relacionados à cognição, ocasionados pela degeneração do núcleo noradrenérgico do sistema nervoso central, localizado no tronco encefálico (locus coeruleus).

“Estamos avaliando a participação desta região do cérebro na memória espacial, ou seja, na capacidade de localização em um ambiente. Com esta finalidade, induzimos nos ratos a doença de Parkinson, para que apresentem os sintomas pré-clínicos e, assim, possamos verificar se há alterações na memória espacial”, explica Isabella.

Segundo a professora Ariadiny, a pesquisa pode resultar em um novo alvo de tratamento da doença, com a utilização de fármacos para atenuar os sintomas pré-clínicos, entre eles o déficit cognitivo, e, assim, melhorar a memória espacial.

Os seminários científicos do Departamento de Ciências Fisiológicas acontecem quinzenalmente, sob a organização da professora Fabiana Henriques Machado de Melo. Informações podem ser obtidas na área de eventos do site da FCM/Santa Casa ou pelo e-mail fabiana.machado@fcmsantacasasp.edu.br

731 visualizações

Compartilhar :