Professora da Enfermagem participa de oficina de comunicação da Secretaria Estadual da Saúde de SP Maria Fernanda Terra foi uma das especialistas convidadas para falar sobre violência contra a mulher

Compartilhar :


Maria Fernanda Terra, professora do Curso de Graduação em Enfermagem da Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da Santa Casa de São Paulo, foi convidada pela Secretaria de Estado da Saúde (SES) de SP para contribuir em uma oficina de  comunicação eficiente com a mídia.  Durante o evento, realizado no dia 26,  profissionais dos sistemas de saúde e judiciário conheceram técnicas para dar entrevistas de maneira clara e segura. Além disso, receberam orientações sobre a interlocução e parceria com a imprensa, que visaram prepará-los para oferecerem à sociedade cada vez mais informações de qualidade sobre sua área de atuação e os serviços disponíveis para a população.

O tema selecionado para o treinamento foi a violência contra as mulheres adolescentes e jovens, com enfoque no sistema de saúde, o qual é uma importante porta de acolhimento e assistência a estas vítimas. A oficina foi uma iniciativa do Programa Estadual de Saúde do Adolescente da SES-SP, coordenado pela Profa. Dra. Albertina Duarte Takiuti, em parceria com o Instituto Patrícia Galvão, organização social sem fins lucrativos que desenvolve estratégias para garantir a visibilidade e o debate público sobre os direitos das mulheres na mídia.

A atividade integrou a programação semanal de fóruns sobre assuntos expressivos para o bem-estar dos adolescentes,  que acontecem todas as quartas-feiras, na SES-SP, às 17h30, com  transmissão ao vivo por meio do canal no You Tube “Saúde Adolescente – São Paulo”, mantido pela Secretaria.

A professora Albertina Duarte abriu o evento ressaltando a pertinência do conteúdo escolhido para o workshop. “O Brasil está em quinto lugar entre os países onde há o maior número de feminicídios. E, muitas vezes, os primeiros movimentos de violência são observados na adolescência, os quais se manifestam de maneira mais significativa posteriormente, em pessoas de 20 a 30 anos”, explicou a médica, que também é coordenadora de Políticas Públicas para a Mulher pela Secretaria da Justiça e Cidadania do Estado de São Paulo.

Na sequência, a  jornalista Marisa Sanematsu, associada-fundadora do Instituto Patrícia Galvão, fez uma palestra sobre a relevância de os especialistas transmitirem seus conhecimentos e experiências por meio da imprensa, bem como de manterem um bom relacionamento com profissionais da mídia. Marisa também orientou sobre linguagem acessível, planejamento do conteúdo da entrevista e treinamento para um bom desempenho.

Em seguida, os presentes assistiram a entrevistas com as especialistas convidadas. Além da enfermeira e professora Maria Fernanda Terra, da FCM/Santa Casa de SP, participaram desta parte da oficina Daniela Pedroso, psicóloga do Núcleo de Violência Sexual e Aborto Legal do Hospital Pérola Byington, e Fabíola Sucasas, promotora de justiça do Estado de São Paulo e coordenadora do projeto Prevenção da Violência Doméstica com a Estratégia de Saúde da Família. As profissionais foram entrevistadas, separadamente, por Jacira Melo, diretora do Instituto Patrícia Galvão. Simulando um programa vespertino de entrevistas, a jornalista fez perguntas relacionadas à atuação dos profissionais de saúde na identificação, acolhimento, tratamento e orientação de mulheres vítimas de violência sexual e doméstica, de acordo com a especialidade das entrevistadas.

Os integrantes da plateia agiram como telespectadores, fazendo perguntas ao final de cada entrevista e contribuindo com críticas sobre o desempenho das especialistas. Elas mesmas avaliaram suas respostas e postura, recebendo, ao final, um retorno da jornalista Marisa, com dicas personalizadas.

A oficina foi encerrada pela professora Albertina Duarte, que contou algumas de suas experiências com a mídia e deu dicas para os profissionais presentes. Por sua longa carreira e pioneirismo em ações direcionadas à saúde da mulher no Brasil, a ginecologista e obstetra é muito procurada pela imprensa.  Entre as suas realizações, está a fundação, em 1993, do primeiro Ambulatório de Ginecologia da Adolescência da Faculdade de Medicina (FM) da Universidade de São Paulo (USP).

Saiba mais: 

Assista à gravação do evento:

Confira aqui a programação do evento

Conheça o Instituto Patrícia Galvão

Entrevista da psicóloga Daniela Pedroso ao jornal “O Globo”

Cartilha do projeto “Prevenção da Violência Doméstica com a Estratégia de Saúde da Família

Curso de Especialização: Prevenção e Enfrentamento da Violência para a Garantia dos Direitos Humanos em Serviços de Saúde

276 visualizações

Vanessa Krunfli Haddad

Compartilhar :