Alunos de Medicina, Fonoaudiologia e Enfermagem atendem imigrantes e refugiados Supervisionados por professores, estudantes realizaram triagens, encaminhamentos e orientações para prevenção e promoção de saúde

Compartilhar :

Fotos disponíveis para download no Flickr da  FCM/Santa Casa de SP

Cerca de 150 pessoas foram atendidas por alunos e professores da Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da Santa Casa de São Paulo durante a segunda edição do Ambulatório de Refugiados e Imigrantes. No dia 19 de outubro/2019, sábado, 91 estudantes (70 do Curso de Medicina, 13 de Fonoaudiologia e 8 de Enfermagem) foram voluntários na ação, voltada para a Atenção Primária em Saúde.

Supervisionados por 4 professoras de Medicina e 4 de Fonoaudiologia, os estudantes receberam refugiados, imigrantes e outros grupos de alta vulnerabilidade de diversos países: Venezuela, Angola, Haiti, Nigéria, Bolívia, Afeganistão, Camarões e Suriname, além de brasileiros. O evento é organizado pela Coordenadoria de Cultura e Extensão do Centro Acadêmico Manoel de Abreu (CAMA) do Curso de Medicina em parceria com o  Grupo Mulheres do Brasil (Comitês de Saúde e de Inserção de Refugiados).

A Câmara Municipal de São Paulo cedeu o espaço para as atividades. Em sua área externa, foram montadas as estações de atendimento da FCM/Santa Casa de SP e realizada uma apresentação do Grupo Doutores da Alegria, com música e brincadeiras. As crianças também receberam o carinho de estudantes que participam do Santa Maluquice, programa de humanização criado pelos alunos da Faculdade para divertir os pequenos que se encontram internados na ala de Pediatria da Santa Casa de São Paulo.

Os imigrantes foram levados ao local por organizações não governamentais parceiras do Grupo Mulheres do Brasil. Cada um deles, ao chegar, foi encaminhado para aferição da pressão arterial, medição da glicemia capitar e antropometria (mensuração de peso, altura e circunferência abdominal, com cálculo do Índice de Massa Corporal). As crianças também foram direcionadas para a estação da pediatria, onde, entre outras ações, houve a verificação das carteiras de vacinação. Durante o evento, as pessoas atendidas tiveram a oportunidade de receber algumas vacinas, como a que protege contra o sarampo.

A estação final consistiu em orientações baseadas nas medições e demais dados levantados e, quando necessário, encaminhamento para Unidades Básicas de Saúde. “Esta é a parte mais importante, pois o objetivo do ambulatório é rastrear comportamentos e propiciar uma conversa sem a formalidade dos serviços de saúde. As pessoas têm a liberdade de falar sobre o que desejarem e tirar dúvidas. Eventualmente, surgem assuntos que nunca haviam sido abordados com profissionais de saúde”, explica Gabriel Munhoz, aluno do 2° ano de Medicina e integrante da Coordenadoria de Cultura e Extensão do CAMA. “Se, pelo menos, uma pessoa sair daqui com uma nova perspectiva e aberta a discutir questões mais a fundo no serviço de saúde, cumprimos nosso propósito”, completa.

Os alunos do Curso de Fonoaudiologia realizaram triagens com crianças e adultos nas áreas de motricidade orofacial (respiração, mastigação, deglutição, fala), voz, audição, linguagem oral e escrita. Além de realizar encaminhamentos, quando indicado, os estudantes ofereceram orientações sobre cuidados com a voz, fala, deglutição e audição. “O evento possibilitou o acolhimento e ações de cuidado à uma população em situação de grande vulnerabilidade e sujeita a riscos que impactam sua saúde como um todo”, analisa Bruna de Almeida, acadêmica do 3º ano de Fonoaudiologia. “Considerando aspectos fonoaudiológicos, uma das questões de impacto é a dificuldade de comunicação por falta de domínio da língua portuguesa, resultando em barreiras para obtenção de emprego, inserção na escola, relações sociais e desenvolvimento de linguagem”, exemplifica.

O Ambulatório recebeu apoio de outras instituições, que contribuíram com atividades de prevenção e promoção de saúde. A Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, por meio do Centro de Referência e Treinamento DST/AIDS-SP e da Coordenadoria de Controle de Doenças, realizou testagem sorológica para HIV e Sífilis. O Grupo A.M.I.C.I. Saúde, formado por médicas que também são mães; o Laboratório de Medicina Diagnóstica Femme e voluntárias do Grupo Mulheres do Brasil orientaram as mulheres sobre gravidez, pré-natal, amamentação e prevenção dos cânceres de mama e de colo de útero. A empresa Colgate ofereceu estrutura física para orientações sobre escovação e higiene bucal infantil. O evento foi patrocinado pela Câmara de Comércio Árabe-Brasileira.

Saiba mais:

Reportagem da TV Câmara

142 visualizações

Vanessa Krunfli Haddad

Compartilhar :