XXXVI CoMASC ocorreu de 1 a 3/10/2019 Palestra de abertura foi de Mariana Perroni (IBM)

Compartilhar :

Ocorreu, dia 1/10/2019, a solenidade de abertura do XXXVI CoMASC (Congresso Médico-Acadêmico da Santa Casa de São Paulo), seguida da Palestra ALÉM DA ANAMNESE E DO EXAME FÍSICO – A MEDICINA EM TEMPOS DE BIG DATA E INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL, de Mariana Perroni (IBM).

Na abertura, Decio Cassiani Altimari, professor e ouvidor da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, destacou o histórico do evento e o valor e a importância da pesquisa para a instituição.

O Diretor da FCMSCSP, Paulo Carrara de Castro, apontou o valor da pesquisa para formar gente, que gera conhecimento, para graduar profissionais cada vez mais qualificados. “O CoMASC é uma de nossas principais iniciativas para integrar professores e alunos”, disse.

Mariana Perroni mostrou que, na atual sociedade, envelhecer mais não significa necessariamente viver bem, já que há um aumento da incidência de doenças como  diabete e câncer. “Mesmo com todo o avanço tecnológico, não podemos deixar de lado os determinantes sociais. Por um lado, a tecnologia nunca esteve tão barata e acessível, o que constitui a chamada transformação digital, mas esse contexto obriga a reaprender a aprender no mundo digital. E isso pode ocorrer sem deixar de lado a compaixão, a vulnerabilidade e a paixão. Nesse contexto, o desafio de lidar com o big data é imenso e já é uma realidade presente”, comentou.

Acesse fotos do dia 1/10/2019 aqui.

Dia 2 de outubro, NOVAS INTERVENÇÕES MULTIFACETADAS PARA REDUÇÃO DE MORTALIDADE EM UTIS foi o tema da Profª. Drª. Valquíria Pelisser Campagnucci. “Trata-de de uma instância hospitalar que reúne os melhores recursos tecnológicos disponíveis. É integrada por um time de médicos, enfermeiros e fisioterapeutas envolvidos na redução da mortalidade. Outros profissionais podem se juntar na busca contínua da melhoria de processos e estabelecimento de protocolos, sempre tendo em vista um funcionamento ajustado e integrado da equipe”, disse.

BIORREATORES E ENGENHARIA DE TECIDOS – PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO foi o tema do Prof. Me. Andreas Kaasi. “Atuo numa área nova e complexa, que demanda muita dedicação e que está em plena expansão, com pesquisas realizadas em todo o mundo”, comentou.

LESÃO MULTI-LIGAMENTAR DO JOELHO: ESTADO ATUAL DO TRATAMENTO foi enfocado pelo Prof. Dr. Ricardo de Paula Leite Cury. “A parti de acidentes sofridos por motoboys, verificamos que lesões ortopédicas graves demandam uma avaliação vascular. Realizada até 8 h após a lesão, reduz a taxa de amputação de 80%, quando feita após esse prazo, para 13%. Além disso, as cirurgias têm melhor resultado quando feitas até 3 semanas após o acidente, recomendo-se começar a fisioterapia o quanto antes após o procedimento”, afirmou.

GRAVIDEZ DE SUCESSO EM ÚTERO TRANSPLANTADO: NOVAS PERSPECTIVAS teve o desenvolvimento do Prof. Dr. Dani Ejzenberg, integrante da equipe que atuou no primeiro transplante de útero da América Latina e terceiro do mundo de doadora falecida e ainda do nascimento da primeira criança do mundo nessas mesmas condições. “Um transplante desse porte envolve cerca de 30 profissionais em cirurgias de mais de 10 horas”, contou.

CORRELAÇÕES ENTRE NEUROPATOLOGIA E MÉTODOS DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM foi o assunto liderado pela Profª. Drª. Carmen Lucia Penteado Lancellotti. “Apresentei alguns casos para reflexão do grupo, num diálogo entre imagens e informações clínicas. Também alertei para prováveis consequências sobre a saúde pelo uso do celular e pelo local onde é guardado próximo ao corpo”, informou.

TRANSPLANTE DE FÍGADO: COMPLICAÇÕES E NOVOS PARADIGMAS, do Prof. Dr. Paulo Celso Bosco Massarollo, foi o tema desenvolvido na perspectiva de apontar dificuldades e desafios dessa cirurgia. “Muito do que parecia ficção científica há 40 anos está acontecendo hoje”, estimulou a plateia.

Acesse fotos do dia 2/10/2019 aqui.

Dia 3/10/2019, o Prof. Dr. Sérgio Tufik tratou de PRIVAÇÃO DE SONO: EFEITOS FISIOLÓGICOS E PREDISPOSIÇÃO A DOENÇAS. “Osono é uma atividade ativa, bão passiva como muitos pensam. Passamos cerca de um terço da vida dormindo. Trata-se de uma atividade relacionada à alimentação, ao exercício físico e ao ritmo biológico de cada um. O fato é que é tão importante, que ratinhos, se ficam 10 dias sem dormir, morrem. Por isso, o seu estudo, do qual sou um dos pioneiros, é tão importante”, comentou.

ALTA TECNOLOGIA NA NUTRIÇÃO EM SÍNDROMES GENÉTICAS: COMO A GENÔMICA NUTRICIONAL, A METABOLÔMICA E A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL PODEM AUXILIAR NO TRATAMENTO DA TRISSOMIA DO CROMOSSOMO 21 foi o assunto enfocado por Sandra Maria Matta. “Estamos na era nano, que inclui a robótica, por exemplo. Graças a pesquisas nessa direção, sabemos que o intestino pode ser considerado um segundo cérebro. Para seu bom funcionamento, é necessária uma rotina saudável, que melhora a nossa qualidade de vida. O paciente, nesse contexto, deve ser visto como um todo, e o profissional de saúde deve cuidar de si mesmo. É curioso pensar que, em 50 anos de vida, ingerimos 10 toneladas de alimento. E isso deve ser feito com qualidade, ainda mais num mundo em que as pessoas vivem mais do que no passado, com um aumento de doenças como diabetes e câncer”, discorreu.

MENINGITES BACTERIANAS EM CRIANÇAS: MANEJO E EPIDEMIOLOGIA foi abordado pelo Prof. Dr. Marco Aurélio Palazzi Safadi. “A meningite bacteriana, que apresenta febre, vômitos e cefaleia, como sintomas, é felizmente rara nos dias de hoje, mas apresenta alta mortalidade (10 a 30% dos casos), sendo que, dos restantes, 30% apresentam sequelas permanentes, como perda auditiva. A melhor forma de prevenção é a vacina. Ela não se pode descuidar disso”, comentou.

EPIDEMIA DE ZIKA VÍRUS: RESPOSTAS EM SAÚDE PÚBLICA E PESQUISA foi desenvolvido pela Profª. Drª. Celina Maria Turchi Martelli. “O combate a Zika Vírus, na epidemia de 2015-2016, mostra claramente como a pequisa científica é fundamental. Foi justamente a falta de informação no começo dos casos no Nordeste brasileiro que levou a um esforço nacional e internacional para encontrar soluções, inclusive ao ser decretar estado de emergência na área de saúde, que obrigou a atingir respostas urgentes para o que estava acontecendo. É preciso aprender com a experiência para estar preparado para a possibilidade de um novo surto, melhorando, por exemplo, o diagnóstico clínico e laboratorial”, disse.

A mesa-redonda TELEMEDICINA – DESAFIOS E PERSPECTIVAS teve a participação doe Prof. Dr. Claudio Luiz Lottenberg (A segurança de dados é essencial na sociedade contemporânea. Precisamos trabalhar para melhorar a sociedade e a telemedicina faz isso agregando valores e encurtando distâncias, mas sem perder a humanidade”), mediação do Dr. Antônio Carlos Endrigo, e do Prof. Dr. Daniel Romero Munõz (“A telemedicina é fundamental, principalmente em exames de imagem, procedimentos técnicos e situações de emergência sem médico, mas a medicina é um método científico baseado em fatos, com sinais e sintomas. É a arte de curar, no sentido de dar assistência e prestar cuidados. Para isso, a sensibilidade no palpar e auscultar é essencial, assim como a observação de gestos corporais e expressões faciais”).

Foi realizada também a apresentação oral dos cinco trabalhos melhor colocados na 37ª Jornada de Prêmios “Manoel de Abreu & Emílio Athié”.

A última palestra foi CIRURGIA ENDOVASCULAR: PANORAMA ATUAL E AVANÇOS TECNOLÓGICOS, do Prof. Dr. Nelson Wolosker. “Os desenvolvimento tecnológico na área foi imenso, principalmente com a entrada da indústria no setor, nos anos 1980. Os resultados vêm sendo cada vez melhores, com equipamentos progressivamente sofisticados, que vão permitir, com a robótica, que cirurgias a distância em que seja possível conjugar três fatores: oferecer saúde ao paciente, custo plausível e excelente cuidado em todo o processo cirúrgico”, concluiu.

Acesse fotos do dia 3/10/2019 aqui.

A programação do XXXVI CoMASC está disponível em: http://comasc.com.br/index.php/cronograma-2019/

Fotos oficias do evento aqui.

 

469 visualizações

Compartilhar :