Instrumento auxilia acompanhamento do deficiente nos serviços de atenção primária Artigo é publicado na revista Arquivos Médicos da FCM/Santa Casa

Compartilhar :

O desenvolvimento de uma proposta de instrumento para auxiliar na identificação e acompanhamento do deficiente nos serviços de atenção primária contribui para a integralidade da assistência e possibilita o planejamento e desenvolvimento de ações. Essa é a conclusão de artigo publicado na revista Arquivos Médicos dos Hospitais e da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

O objetivo foi elaborar um instrumento de identificação e acompanhamento da pessoa com deficiência. Foi assim criado um instrumento para a atenção primária diferenciado por cores e separados por campos, conforme os grupos de necessidades.

Nesse sentido, realizou-se uma pesquisa retrospectiva, a partir de 25 “Folhas de Controle”, aplicadas no desenvolvimento do PET – PcD (Programa de Educação Tutorial – Pessoas com Deficiência) às famílias com portadores de deficiência cadastradas em Unidade Básica de Saúde.

No que se refere à necessidade de ter boas condições de vida, 30% dos deficientes físico/motor, 50% dos deficientes visuais e 33,4% dos deficientes mental/intelectual participam de atividades sociais.

Sobre o acesso e uso de tecnologias, nos deficientes físicos, 80% utilizam algum tipo de tecnologia; dos deficientes visuais, 75% usam bengala branca; dos deficientes mentais/intelectuais, 33,4%, utilizam cadeira de rodas.

Sobre a necessidade de ser acolhido e ter vínculo com um profissional ou equipe, 90% dos deficientes físicos/motores, 75% dos deficientes visuais e 100% deficientes mentais/ intelectuais e deficientes múltiplos têm acompanhamento médico.

Sobre o desenvolvimento de autonomia, 30% dos deficientes físicos recebem cuidados; dos deficientes visuais, 50% recebem; dos deficientes mental/intelectual, 100% têm cuidado de familiar; e dos deficientes múltiplos, 87,5%.

O artigo, intitulado “Proposta de instrumento de atenção primária à saúde da pessoa com deficiência”, de autoria de Gabriela dos Santos Vera Ortiz, Lívia Keismanas de Ávila e Evelyn Fabiana Costa, está disponível em https://doi.org/10.26432/1809-3019.2018.63.2.53

 

 

41 visualizações

Compartilhar :