01/07/21

Abordagem qualificada ajuda a lidar com a dor da perda de entes queridos Faculdade oferece o curso "Perdas, Morte e Luto: aspectos introdutórios” para profissionais de saúde acolherem enlutados

Em junho de 2021, o Brasil atingiu a triste marca das 500 mil vidas perdidas por conta da covid-19. O falecimento de uma pessoa querida chega a doer fisicamente. Embora quase insuportável nesse primeiro momento, essa dor pode ser transitória. Colin Murray Parkes, psiquiatra britânico referência mundial no assunto, afirma que a dor da perda é o custo do compromisso e da capacidade de amar. É justamente pelo fato do ser humano se vincular e obter gratificação nas experiências de relacionamento, que o luto é uma experiência de profunda dor física, emocional, social e espiritual.

Males da pandemia vão muito além das doenças físicas

Além da gravidade das doenças físicas causadas pela Covid-19, a pandemia tem desdobramentos em aspectos psicológicos em toda a população por conta do isolamento forçado, adoecimento e mortalidade. Somente no Brasil, mais de meio milhão de famílias estão enlutadas. Essa realidade difícil exige habilidade dos profissionais de saúde no conforto às famílias. “O luto tem sido bastante debatido. Estamos assistindo a luta de milhares de pessoas no duro enfrentamento da dor ocasionada pelo distanciamento, pelas perdas sociais e financeiras, e, especialmente, pela morte de muitos entes queridos”, destaca a professora Renata Pereira Condes, que coordena a pós-graduação Lato Sensu em Psicologia Hospitalar da FCMSCSP. “Muitas famílias foram drasticamente afetadas, com a morte e/ou o adoecimento de muitos membros, o que gera sobrecarga física, social e emocional para uma adaptação à perda e para a assunção de novos papéis, como por exemplo, de provedor financeiro ou de cuidador.”

Quinhentos mil mortos e cinco milhões de enlutados

De acordo com Renata, para cada falecimento, estima-se em torno de quatro a onze enlutados no Brasil. “Com o marco das 500 mil mortes, atingido no mês de junho, chegamos ao número entre 2 e 5,5 milhões de brasileiros sofrendo. Cada um perdeu um amor e enfrentará um processo único, singular e não normativo de processar a falta do ente querido”, disse. “Nesse sentido, profissionais da saúde, da educação, da gestão de pessoas e, de um modo geral a sociedade em si, precisam estar mais bem capacitados teórica e tecnicamente para compreender, orientar, amparar e cuidar das demandas advindas deste cenário de luto coletivo. Torna-se imperativo dar visibilidade ao luto e ao sofrimento de tantos de nós.”

Curso “Perdas, Morte e Luto: aspectos introdutórios”  apoia profissionais a lidar com o tema e enlutados

A Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (FCMSCSP) está com inscrições abertas para o curso de atualização “Perdas, Morte e Luto: aspectos introdutórios.” A formação é voltada para profissionais que lidam diretamente com o luto e precisam de ferramentas para auxiliar e confortar pessoas e famílias que se encontram neste momento tão difícil. O luto, quando não tratado adequadamente, pode desencadear quadros depressivos, afirma Renata.

Com início em 28 de agosto de 2021, o programa será oferecido integralmente à distância, em oito sábados, das 8h30 às 12h30. Serão apresentados os principais conceitos sobre morte e luto na contemporaneidade, com vistas a uma visão crítica e ética na área. Com isso, pretende-se possibilitar instrumentalização teórico-técnica compreensiva para manejos específicos com a população de enlutados, além de estimular reflexão, discussão e sensibilização sobre as situações de perdas, morte e luto. Para mais informações, acesse aqui.

 

177 visualizações