9/7/2020

Cuidados na reabertura: como diminuir o risco de contaminação Professor da FCM/Santa Casa é um dos especialistas ouvidos pelo Estadão

Compartilhar :

Nas últimas semanas, algumas cidades como São Paulo e Rio de Janeiro começaram a liberar a reabertura de bares, restaurantes, barbearias e salões de beleza. Desde então, têm sido comum cenas de estabelecimentos lotados, com pouca proteção contra o novo coronavírus.

Segundo especialistas ouvidos pelo Estadão, esses locais apresentam alto risco de transmissão da covid-19, principalmente porque atraem aglomerações em um momento em que a pandemia ainda não está superada. Por isso, com a reabertura, são necessárias medidas restritivas, como distanciamento e higienização dos ambientes.

Situações de risco em bares e restaurantes

Ambientes como bares e restaurantes podem facilitar a propagação do vírus

A principal forma de contaminação pelo novo coronavírus é por meio de gotículas respiratórias, expelidas ao falar, tossir ou espirrar. Apesar de elas serem imperceptíveis, uma simples conversa pode disseminar muitas gotículas pelo ambiente.

Como em bares e restaurantes é preciso tirar a máscara para comer e beber, aumenta-se o risco de contaminação por gotículas respiratórias

A contaminação indireta, por contato em superfície, também pode acontecer, segundo especialistas. Se uma gota de saliva de uma pessoa infectada cair na mesa, por exemplo, e outra pessoa passar a mão na mesa e levar até o rosto, pode haver contaminação

Saleiros e outros objetos da mesa, se não higienizados, podem estar contaminados e infectar diferentes clientes. Um estudo publicado no New England Journal of Medicine, que é referência nesse assunto, mostrou que o vírus pode permanecer até 72 horas em superfícies como plástico e aço inoxidável

Higienização

– Em bares e restaurantes, muita gente pede para experimentar a bebida de um amigo ou um pouco da comida que o colega pediu. Compartilhar copos e talheres pode ser um risco de contaminação

– Uma lavagem feita apenas com água não funciona para higienizar copos, pratos ou talheres entregues aos clientes. As louças do estabelecimento precisam ser devidamente lavadas com água e detergente

Alto risco de contaminação

Em comparação com ambientes fechados, em espaços ao ar livre há menor proliferação do vírus. Mas, isso não significa que ficar fora do bar ou restaurante é seguro. Se não houver distanciamento social, há risco de contaminação

Máscaras colocadas no pescoço para beber cerveja permitem que gotículas potencialmente contaminadas se espalhem entre a roda de amigos

Ficar em pé faz com que seja ainda mais difícil controlar o distanciamento de 1,5 metro, recomendado para evitar a contaminação. Isso porque as pessoas se mexem, se esquecem e acabam ficando mais próximas umas das outras

CUIDADOS NOS BARES E RESTAURANTES

– As mesas não poderão ser ocupadas por mais de seis pessoas

– 2 metros de distância entre as mesas

– Distância de pelo menos 1 metro entre as cadeiras

– A ocupação máxima deve ser de 40% da capacidade (por enquanto, na fase amarela em SP)

– Os clientes só poderão consumir os alimentos dentro dos estabelecimentos se todos estiverem sentados, seguindo corretamente as recomendações de higiene

– As portas e janelas deverão ficar de preferência abertas, para ventilação do ambiente

– Se tiver ar-condicionado no estabelecimento, garantir a manutenção adequada dos aparelhos

– Duas opções de cardápio: Ou disponibilizado por meio de plataformas digitais (site do estabelecimento, menu digital via QR Code ou aplicativo) ou cardápios de grande porte visíveis nas paredes do estabelecimento, como lousas, quadros e luminosos

– Em caso de self-service, garçons com equipamentos de proteção individual deverão servir os clientes

– Horário de funcionamento de seis horas diárias, até no máximo 17h

Especialistas recomendam também que os clientes tenham alguns cuidados extras em bares/restaurantes:

– Usar máscara a maior parte do tempo possível

– Observar se o estabelecimento está preocupado em manter a higienização do ambiente

– Para especialistas, como algumas mesas são pequenas, manter 6 pessoas sentadas pode ser muito difícil. O ideal seria ocupar apenas metade: uma mesa com 4 lugares, por exemplo, deveria acomodar 2 pessoas

– Não compartilhar copos e talheres

– Higienizar as mãos sempre que possível

– Evitar colocar a mão em superfícies

– Evitar colocar a mão no rosto

– Manter sempre o distanciamento de 1,5 metro de outras pessoas

Situações de risco em salões de beleza/barbearias

Em ambientes fechados, como salões de beleza, há maior proliferação do vírus

Mesmo com o uso de máscaras, aglomerações de pessoas são arriscadas, já que o distanciamento é mais efetivo contra a disseminação do vírus

Em uma aglomeração, é possível que algumas pessoas estejam usando máscaras de forma inadequada (sem proteger o nariz e a boca), ou então estejam usando máscaras sem trocá-las por muitas horas, o que pode facilitar a contaminação

Atendimento individual

Em salões de beleza, o contato com os clientes costuma ser mais próximo

Máscaras que não cobrem o nariz e a boca não são eficientes para proteção, permitindo o espalhamento de gotículas contaminadas pelo ambiente

Se esmaltes ficarem expostos para clientes manusearem, os vidros podem ficar contaminados

CUIDADOS NO SALÃO DE BELEZA

– O atendimento deverá ser feito exclusivamente por agendamento, para evitar filas de espera

– Atendimento dos clientes em horários espaçados, para que se faça a devida higienização entre um atendimento e outro

– A ocupação máxima deve ser de 40% da capacidade do local (por enquanto, na fase amarela em SP)

– O atendimento precisa ser feito em cabines individuais, por um profissional por vez e os clientes não poderão estar acompanhados de outras pessoas

– Funcionários deverão utilizar touca, máscara reutilizável e óculos de proteção ou protetor facial, gorro, avental impermeável de mangas longas e luvas para tratamentos

– Lavar os cabelos e orelhas dos clientes antes de iniciar o corte de cabelos para minimizar a possibilidade de contaminação

– A distância mínima entre estações de trabalho deve ser de 2 metros, devendo ser utilizadas de modo intercalado, se necessário, e a distância entre os clientes de pelo menos 1,5 metro

– Para manicure: diminuir a quantidade de esmaltes expostos, usar luvas, higienizar a poltrona e a mesa de atendimento a cada cliente

Especialistas recomendam também que os clientes tenham alguns cuidados extras:

– Usar máscara durante todo o tempo. Como algumas pessoas costumam passar horas em salão de beleza, trocar a máscara assim que ela estiver úmida

– Observar se o estabelecimento está preocupado em manter a higienização do ambiente e se os profissionais estão trocando as luvas entre os atendimentos dos clientes

– Não compartilhar itens de maquiagem como batom

– Evitar fazer procedimentos no rosto, como tirar as sobrancelhas e depilar o buço

– Higienizar as mãos sempre que possível

– Evitar colocar a mão em superfícies

– Evitar colocar a mão no rosto

– Manter sempre o distanciamento de 1,5 metro de outras pessoas

Especialistas ouvidos

Plínio Trabasso, médico infectologista da Unicamp, Juliana Cortines, virologista da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Marco Aurelio Safadi, médico infectologista da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Acesse reportagem completa.

155 visualizações

Compartilhar :