23/09/2021

InovaSanta incentiva médicos a serem solucionadores “Transformando sua ideia em startup” foi organizado pela InovaSanta, a liga de inovação da Faculdade

No dia 4 de setembro, alunos e professores da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (FCMSCSP) se reuniram para discutir inovação na saúde. Foi o primeiro evento presencial “Transformando sua ideia em startup”, organizado pela InovaSanta, a liga de inovação da Faculdade, com o objetivo de despertar nos alunos o pensamento crítico em relação ao planejamento da carreira profissional. “O evento foi um sucesso! Abordou temas de saúde importantes que levaram a soluções inusitadas pelos participantes”, comemora Michael Chow, aluno do segundo ano do curso de Medicina e presidente do InovaSanta.

>>> App desenvolvido por aluno da Medicina é o campeão de downloads na Apple Store

Segundo ele, dentre os diversos problemas propostos aos participantes, aquele que mais chamou atenção foi o que se refere à queda de idoso, tendo sido esse problema abordado pela maioria dos grupos, inclusive pelo campeão. “Uma questão importante a ser destacada foi o engajamento dos participantes que estão cursando do 1º ao 6ºano. Eles agora estão começando a enxergar a importância de serem médicos solucionadores de problemas”, disse.

Participaram do InovaSanta o professor Dr. Irineu Francisco Delfino Silva Massaia, vice-reitor da FCMSCSP; Tiago Peres, gerente da Poli-Jr da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo e consultor McKinsey; e Rafael Munerato de Almeida, médico cardiologista formado pela FCMSCSP e fundador da Infinite Educational.

Trabalho vencedor propõe “pontuação saudável” para reduzir custo do plano de saúde

O trabalho “Plano de Saúde baseado em pontos que correspondem a descontos no valor de base”, apresentado pelos estudantes Fernanda Malucelli Favorito, Giovanna Vicente de Freitas e Teofilo Santiago Bombard, foi o vencedor do InovaSanta.

A ideia é implementar um plano de saúde baseado num sistema de pontos que geram descontos no valor base, que podem chegar a 25%. Os pontos serviriam de indicativo do risco de a pessoa precisar acionar o plano de saúde por condições de saúde crônicas ou de alto custo. Assim, hábitos como atividade física, alimentação, tabagismo, etilismo e outras questões comportamentais seriam avaliadas para definir uma escala de desconto no serviço.

“Por exemplo, a atividade física podia ser medida por app, a alimentação, que é mais complicada, poderia ser acompanhada via parceiros, como mercadinhos fit e restaurantes de comida saudável que têm planos de alimentação semanal”, conta Fernanda. “Uma segunda vertente a ser explorada seria para as empresas contratarem o plano como incentivo a adoção de hábitos saudáveis dos colaboradores, não só dentro da empresa, mas incluindo a participação deles em atividades esportivas.”

Equipe vencedora do InovaSanta: Giovanna Vicente de Freitas, Fernanda Malucelli Favorito e Teofilo Santiago Bombard

Compartilhamento de dados seria compensado com o desconto na mensalidade do plano

Fernanda não vê o compartilhamento de dados como empecilho para a adesão do público à ideia, tendo em vista que essas informações sobre a rotina dos usuários, como alimentação e atividade física, iriam gerar o benefício da redução do custo do plano de saúde. “Esta é a condição de participar do programa de monitoramento, mas se a pessoa não quiser aderir à modalidade de pontos ela paga o valor de base do plano, ou utiliza o desconto correspondente às informações que desejar compartilhar.”

Ela acredita que há espaço no mercado para a implantação de uma proposta desse tipo, tanto pelo ineditismo da ideia quanto pela fragmentação das operadoras de saúde, o que abre espaço para negociação. Além disso, a proposta contempla a possibilidade de adesão de parceiros de divulgação, como academias, restaurantes e outros serviços similares. “Acaba envolvendo outras empresas que podem contribuir com os serviços para uma vida mais saudável, ao mesmo tempo que daria benefício de divulgação”, sugere Fernanda.

184 visualizações